Maio 24, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Em conversa com o importante arquiteto brasileiro Marcio Cogan

Com sede em São Paulo, um dos principais arquitetos contemporâneos do Brasil Márcio Cogan Ele aborda seu ofício com a visão de um cineasta.

Conte-nos sobre seus pais e como foi sua infância em São Paulo. De onde veio o seu amor pela arquitetura?

Meu pai, Aaron Cogan, era um engenheiro de arquitetura que projetou e construiu alguns prédios incrivelmente modernos em São Paulo. Quando eu tinha sete anos, me mudei para uma casa supermodernista. Acho que Jacques Tati copiou nossa casa em seu filme Meu tio Ele a chamou de “Villa Arbel”. Um ano depois, meu pai morreu e me lembro do dia em que subimos as escadas de um prédio em construção: quando segurei sua mão com tanta força, vi São Paulo voando. Naquele dia eu me tornei um arquiteto.

Descreva a força motriz e os princípios de sua abordagem à arquitetura e descreva quais critérios você usa para determinar quais projetos participar ou competir.

É importante destacar que, desde o final da década de 1930, o Brasil já produz arquitetura moderna de alta qualidade. Esses princípios referem-se à minha vida na arquitetura e a todas as gerações que se seguiram. Pelos nossos padrões, os programas que fornecem severidade são dignos.

O que o cinema tem a ver com você? Por que você parou de trabalhar como diretor de cinema para se tornar um arquiteto? Como o filme expressa seu trabalho hoje?

Eu fui muito afetado pelos filmes. Quando eu tinha 15 anos, estava matando aula em São Paulo um dia quando de repente começou a chover. Corri para o teatro para me proteger. Eu entrei, eles apareceram Silêncio Por Ingmar Bergman. Eu não tinha ideia do que estava vendo, e o filme foi proibido para menores de 18 anos. Naquela época eles não se importavam com isso e queriam um cliente. Em alguns segundos, este momento vai mudar minha vida. Uma epifania. Durante esses anos, minha vida era em preto e branco, e esse filme em preto e branco me fez assistir em cores. Eu me vi no menino Johan com todos os seus problemas bergmanianos. Naquele evento, passei a entender o significado mais amplo da palavra “arte”.

Até 1988, quando dirigia meu primeiro filme, Fogo e paixão, não sei se quero ser arquiteto ou cineasta. Até então, eu havia feito 13 curtas-metragens e tinha uma carreira de sucesso, e esse aspecto foi um fracasso total. Consumiu o dinheiro que eu tinha economizado e o dinheiro necessário para meu escritório de arquitetura em sua infância. Então, eu o redesenhei e me concentrei inteiramente na arquitetura. Eventualmente, após o choque, fiquei encantado com o que havia acontecido e acho que trouxe a bagagem do cinema para minha carreira como arquiteto: a importância da luz na proporção longa da tela widescreen, a importância do trabalho em equipe, a emoção de segundo a segundo, que sempre fez parte do processo de criação de um roteiro de filme para mim.

Sou muito cinematográfico nos estágios iniciais de um projeto: sempre crio a pessoa que mora no lugar em questão. Eles têm uma história de vida: às vezes um homem e às vezes uma mulher, ou talvez uma combinação dos dois. Eles estão constantemente andando pelo local. Sentem as proporções, reduzem a altura do teto, empurram as paredes, olham pela janela ou retiram uma janela daquele espaço. Eles não gostam de portas. Eles sobem e descem as escadas e experimentam de muitas maneiras alternativas. Eles ainda não decidiram se as escadas serão retas ou em espiral. Eles vão para o jardim, ainda não é, olham para a fachada e decidem mudar tudo de novo. Eles plantam uma bela árvore. É noite, duas luas e algumas estrelas cadentes podem ser vistas cruzando o céu azul royal. Quatro anões tocam uma triste canção romena em seus violinos e sentam-se nas rochas na superfície do muro que margeia o jardim nunca antes visto. Uma jovem linda, muito bonita e elegante estava parada, olhando fixamente para o nada, sem saber para onde. Eventualmente, o personagem está razoavelmente satisfeito com o que ele criou e adormece em uma cama grande, que ele empurra levemente para a direita.

Descreva a arquitetura moderna brasileira e por que você a menciona em seus projetos.

A arquitetura moderna brasileira, que surgiu no final da década de 1930, foi fortemente influenciada por Le Corbusier e foi bastante emocionante. No final da década de 1930, Lu Corpusier chegou ao Brasil com uma equipe de arquitetos, entre eles Lucio Costa e Ernani Vasconcelos, Carlos Leo, Jorge Machado e Oscar Niemeyer, para supervisionar o programa do Ministério da Educação e Saúde. Junto com eles apareceram dezenas de arquitetos incríveis como Rhino Levi, Lina Poe Party, Villanova Articas e mais recentemente, Paolo Mendes da Rocha. Quando o fluxo de informações é praticamente inexistente, não é apenas interessante, mas também difícil entender como um país como o Brasil pode ter produzido arquitetos tão grandes. Minha missão é reconsiderar humildemente esse momento mágico.

Através do seu processo de design – desde a ideia inicial até a conclusão final – e como você funciona como uma equipe.

Às vezes, quando começamos um projeto especial, temos um “Fora do padrão”- um processo criativo semelhante à lavagem cerebral visual – em que as equipes sem minha participação são divididas em três ou quatro, com o objetivo de realizar soluções em maior escala, evitando assim soluções vinculadas ao hábito. Todos os arquitetos participam efetivamente dos projetos, e esta é a base para a restauração de caminhos a cada momento. Eu gosto de trabalhos assim porque não é uma coisa normal olhar no escritório. Eu não sou como o chefe e eles são arquitetos: é uma equipe real, uma espécie de equipe pensante.

O Studio MK27 tem uma cultura profunda que se concentra no design e na supervisão de projetos com os limites do perfeccionismo doentio. Eu tenho TOC (transtorno obsessivo compulsivo) que nos faz trabalhar Eternidade O resultado final em cada projeto e cada pequeno detalhe do projeto deve ser o mais próximo possível do seu início. Colaboramos com fornecedores no desenvolvimento de produtos e participamos ativamente de todo o processo de construção. A falta de uma cultura profissional de construção produziu muitos artesãos talentosos no Brasil. Desenhamos ou desenhamos o que queremos e “voilà”, aparecerá no projeto. O resultado é uma qualidade quase invencível.

READ  Desfile militar brasileiro no Palácio do Planalto incomoda políticos