Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Disputa sobre ‘machismo’ em música do ícone brasileiro Chico Buarque

Emitida em: Modificado:

Rio de Janeiro (AFP) – Em 1966, a falecida cantora de bossa nova Nara Leoo pediu ao ícone da música brasileira Chico Buarque que lhe escrevesse uma música sobre uma mulher sofrida esperando seu homem.

Cinquenta e seis anos depois, a canção amplamente amada, “Com Açucar, Com Afeto”, está no centro de uma tempestade no Brasil depois que Buarque disse que decidiu parar de cantá-la por críticas ao machismo em sua Letra da música.

“As feministas estão certas”, disse Buarque em uma série de documentários sobre a vida de Leo que estreou em 7 de janeiro na plataforma brasileira de streaming Globoplay.

“Sempre vou concordar com as feministas”, acrescentou a cantora, hoje uma lenda viva da música popular brasileira de 77 anos.

Isso desencadeou uma tempestade sobre a “cultura do cancelamento”, o politicamente correto e o feminismo em um Brasil que está profundamente dividido rumo às eleições em outubro que decidirão se o polêmico presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro recebe um novo mandato.

“Isso chegou ao cúmulo da loucura! Tudo por causa das Feministas. LOUCURA!” leia uma reação típica no Twitter.

“Isso levou muito tempo, não foi?” foi uma reação típica do campo oposto.

“Eu sempre odiei aquela música de merda cheia de machismo. Acho que as pessoas que romantizam isso são bizarras.”

A música é escrita a partir da perspectiva de uma mulher que preparou o “doce favorito de seu homem, com açúcar e carinho”, mas está presa esperando que ele volte para casa enquanto ele está farreando em bares e cobiçando outras mulheres.

Apesar de tudo, quando ele finalmente chega em casa, ela canta: “Vou esquentar seu prato favorito… e abrir os braços para você”.

READ  Um milhão de tartarugas do rio Amazonas foram libertadas durante uma operação de segurança na fronteira Bolívia-Brasil

‘Canção da mulher sofredora’

“Você tem que entender que naquela época, nunca passou pela nossa cabeça que isso era uma forma de opressão, que as mulheres não deveriam ser tratadas assim”, disse Buarque, um cantor e compositor adorado conhecido por sua voz acetinada, olhos verdes, sorriso de galã e uma carreira de seis décadas.

“Não vou mais cantar ‘With Sugar and Affection’, e se Nara estivesse aqui, tenho certeza que ela também não cantaria”, acrescentou Buarque, cujo repertório inclui inúmeras canções escritas a partir da perspectiva de uma mulher.

Leão, que morreu em 1989 aos 47 anos, é considerado um dos fundadores da bossa nova, o gênero musical sedoso e suave que evoluiu do samba brasileiro na década de 1950 no Rio de Janeiro.

Buarque disse que havia pedido a ele uma “canção de mulher sofredora”. Ele obedeceu e passou a cantá-la também.

Mas alguns comentaristas apontaram que Buarque não cantava a música ao vivo desde pelo menos a década de 1980, descartando a briga que estourou na mídia, nas redes sociais e nos círculos culturais como uma polêmica forjada.

“Precisamos atentar para o fato de que esse episódio foi usado para protestar contra o feminismo e os movimentos sociais, supostamente responsáveis ​​por censurar criações artísticas e impor o politicamente correto”, escreveu a colunista Amara Moira no site BuzzFeed.

“Nada disso realmente aconteceu. Mas nestes tempos de notícias falsas e reações de gatilho, isso pouco importa.”

Se a música e a controvérsia ao redor são história antiga ou não, elas deram origem a uma nova criação musical esta semana.

Na quarta-feira, a cantora Viviane Davoglio e a compositora Iavora Cappa postaram uma versão revisada da música no YouTube, chamada “Com Ternura e Com Afeto”.

READ  Cenbank do Brasil divulgará dados de currículo na próxima semana após greve

Em sua versão, é a protagonista feminina que sai para uma noite na cidade, depois volta para casa com seu homem chorando – que aquece seu prato favorito.