Setembro 27, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Desmatamento na Amazônia brasileira aumenta 67% em maio, promete Bolsanaro

O desmatamento na floresta amazônica do Brasil aumentou pelo terceiro mês consecutivo em maio, de acordo com dados preliminares do governo divulgados na sexta-feira.

O desmatamento aumentou 67% desde o mesmo mês do ano passado, de acordo com a agência nacional de pesquisas espaciais Inbay. A maior parte da terra é destinada à pecuária, fazendas e mudas.

Nos primeiros cinco meses do ano, o desmatamento aumentou 25% em relação ao ano anterior, destruindo 2.548 quilômetros quadrados – três vezes mais que a cidade de Nova York.

O desmatamento atinge o pico durante a estação seca, de maio a outubro, quando os armários ilegais facilitam o acesso à floresta.

Na cúpula do Dia da Terra em abril, Bolzano prometeu dobrar o financiamento para a fiscalização ambiental. No dia seguinte, ele assinou o orçamento federal de 2021 para reduzir os gastos ambientais.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, encaminhou imediatamente ao Ministério do Meio Ambiente uma proposta de aumento dos gastos ambientais, mas há mais de um mês que o pedido não é atendido.

O escritório de Paulsonaro não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está em negociações com o Brasil sobre esforços financeiros para proteger a Amazônia. Mas as autoridades americanas dizem que não esperam uma ação imediata.

“Infelizmente, o regime de Bolsanaro desviou parte da fiscalização ambiental”, disse o embaixador do clima dos EUA, John Kerry, em uma audiência no Congresso no mês passado. “Tivemos essa conversa e eles dizem que agora estão determinados a aumentar o orçamento.

“Se não falarmos com eles, você tem a garantia de que a floresta vai desaparecer.”

A estratégia de Bolsanaro para proteger a Amazônia primeiro contou com caras forças militares que começaram no final de 2019. Mas o governo retirou suas forças armadas no final de abril, após não conseguir restaurar o desmatamento aos níveis pré-Bolsanaro.

READ  Studio Arthur Casas renova apartamento megawatt em prédio moderno do Brasil

Organizações ambientais como o IBAMA estão mais uma vez assumindo a liderança na proteção da floresta, mas o governo não aumentou seu financiamento ou pessoal.

Marcio Astrini, presidente do Comitê de Monitoramento do Clima e Defesa do Meio Ambiente, disse que o desmatamento é uma evidência de que as recentes promessas de Bolsonaro de proteger a Amazônia não devem ser menosprezadas.

“Parece muita conversa fiada”, disse Astrini.

Nossos padrões: Princípios da Fundação Thomson Reuters.