Setembro 27, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Desfile militar brasileiro no Palácio do Planalto incomoda políticos

BRASÍLIA, 10 de agosto (Xinhua) – As Forças Armadas do Brasil revelaram na terça-feira uma violência militar incomum contra o presidente de extrema direita Jair Bolsanaro, cujos planos de mudar o sistema de votação do país provavelmente sairão pela culatra no Congresso.

Políticos de todos os setores pedem o desfile de tanques navais, blindados e veículos anfíbios, enquanto legisladores votarão contra a emenda constitucional com o apoio de Bolzano.

A Marinha disse que a marcha foi planejada muito antes de um referendo na Câmara dos Deputados ser agendado para convocar o presidente para o exercício militar anual de domingo.

A assessoria de imprensa do presidente não respondeu a um pedido de comentários.

Nas últimas semanas, Bolzano tem instado as pessoas a aceitarem a cédula de papel para a eleição de 2022, com base em alegações de fraude no sistema de votação eletrônica do Brasil, com sua bandeira hasteada em meio à segunda erupção Covit-19 mais mortal do mundo.

Ele ameaçou não aceitar os resultados das próximas eleições presidenciais após sua derrota para o próximo presidente de esquerda, Luís Inácio Lula da Silva. Ambos não anunciaram oficialmente sua candidatura.

Cercado por comandantes das Forças Armadas, Bolzano ficou em frente ao Palácio Presidencial enquanto o desfile militar passava. Um oficial da Marinha do navio de guerra desceu a rampa para ligar para ele.

A vista dos tanques do Palácio do Planalto perturbou os brasileiros que viveram na ditadura militar de 1964-1985.

O legislador Arthur Lira, porta-voz da Câmara dos Deputados, classificou a parada militar como uma “coincidência trágica” antes de um grande referendo e não aceitou a convocação para participar de um treinamento das forças armadas.

READ  Os juízes de Londres revertem a reabertura de US $ 9 bilhões do caso da barragem no Brasil contra BHP

Outros legisladores estão se ameaçando com uma presença militar incomum em frente ao Palácio Presidencial.

“Os tanques nas ruas, justamente no dia da votação na cédula de papel, são reais, claros e inconstitucionais”, disse Simon Debate, senador do Movimento Democrático Brasileiro, nas redes sociais.

“Bolzano transformou um exercício militar em um cenário político”, disse Perpétua Almeida, uma congressista de esquerda que disse que foi uma demonstração de força em resposta ao declínio na contagem de votos. “Esse tiro vai causar um revés”, ele tuitou.

Relatório de Anthony Bottle Edição de Brad Haynes e Angus Maxwan

Nossos padrões: Políticas da Fundação Thomson Reuters.