Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Decisão do Conselho Brasileiro de Publicidade discute publicidade baseada em algoritmos – Comentário

Introdução
Fatos
Decisão
Mudanças e melhorias
Crescimento na publicidade baseada em algoritmos

Introdução

A publicidade baseada em algoritmos usa informações do consumidor coletadas de mídia digital. Uma vez identificados os interesses (como padrões de pesquisa online), a publicidade personalizada é direcionada a um determinado público-alvo, aumentando a probabilidade de engajamento com o produto ou serviço oferecido. Não é por acaso que esse modelo de publicidade tem se popularizado cada vez mais com a crescente presença online dos consumidores no Brasil, além de gerar discussões em diversas áreas do direito. O Conselho Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária (Conar) analisou recentemente um caso inovador envolvendo publicidade baseada em algoritmos e inteligência artificial.

Fatos

Motivada por uma reclamação do consumidor, a Representação No. 203/2021 dizia respeito a um anúncio para uma plataforma de streaming de vídeo. O consumidor alegou que o anúncio o havia enganado sobre o conteúdo da plataforma, pois o filme exibido no anúncio não estava disponível em seu catálogo de streaming.

Como tal, o consumidor alegou uma violação do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitáriaem particular:

  • artigo 1º – todos os anúncios devem ser respeitosos, cumprir as leis do país e ser honestos e verdadeiros;
  • Art. 3º – O anunciante, a agência de publicidade e a mídia respondem perante os consumidores por todos os anúncios;
  • art. 23 – o anúncio não deve explorar a credulidade, falta de conhecimento ou inexperiência do consumidor; e
  • artigo 27 – o anúncio deverá conter apresentação verídica do produto ofertado.

Em sua defesa, a plataforma de streaming esclareceu que seus anúncios são criados automaticamente por meio de algoritmos, que, após já identificar o interesse do consumidor pelo filme, usariam o filme para aumentar o engajamento do consumidor com o anúncio. O réu argumentou ainda que, embora o filme não estivesse disponível em vídeo sob demanda, ele estava listado em seu catálogo para streaming em outras mídias.

READ  Mineira brasileira Samarco enfrenta votação de credores em março, à medida que impasse se aproxima

Decisão

Ao avaliar os argumentos das duas partes, o Conar apurou que o anúncio não trazia informações incorretas porque “não especificou de que forma o filme estava disponível” e “essas informações adicionais podem ser acessadas na contratação do serviço, na instalação do aplicativo”. . De acordo com o voto do rapper, era dever do consumidor examinar as condições do contrato, e o processo foi arquivado por unanimidade nesse raciocínio.

Mudanças e melhorias

De qualquer forma, o Conar enfatizou que os anunciantes devem ser cautelosos ao usar a publicidade baseada em algoritmos. Em particular, o Conselho salientou que:

é importante aprimorar esses mecanismos de forma equilibrada, pois a precisão necessária para se chegar a uma solução digital de sucesso também pode estreitar o campo de possibilidades disponíveis. Isso muitas vezes pode resultar no bloqueio dos consumidores das soluções que procuram.

Além disso, o Conar concluiu que “é fundamental entender e acompanhar as transformações, mudanças e aprimoramentos dos algoritmos, para que gerem publicidade correta e de qualidade, de acordo com as escolhas do consumidor”.

Embora o caso tenha sido arquivado, o Conar sinalizou que o setor publicitário deve estar atento às transformações, mudanças e melhorias nos algoritmos para garantir que a publicidade por eles gerada atenda às exigências do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária.

Crescimento na publicidade baseada em algoritmos

A recente decisão do Conar mostra a preocupação em equilibrar a necessidade de os anúncios cumprirem os padrões regulatórios com a crescente relevância da inteligência artificial e dos algoritmos na indústria publicitária, a fim de não prejudicar o progresso tecnológico nessa área. Considerando a popularidade da publicidade baseada em algoritmos, a decisão do Conar sob a Representação nº. 203/2021 é altamente relevante e tem potencial para influenciar decisões futuras.

READ  'Furacão de tragédia': busca continua por casal desaparecido no Brasil apesar da esperança de evaporação | Brasil

Para mais informações sobre este tema contacte Fábio Ferreira Kujawski ou Filial Paulo Marcos Rodrigues no Mattos Filho Veiga Filho Marrey Jr e Quiroga Advogados por telefone (+55 11 3147 7600) ou e-mail ([email protected] ou [email protected]). O site Mattos Filho Veiga Filho Marrey Jr e Quiroga Advogados pode ser encontrado em www.mattosfilho.com.br.

Lorena de Freitas Pereira auxiliou na elaboração deste artigo.

Uma versão anterior deste artigo foi publicada pela primeira vez em Único.