Novembro 28, 2021

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Chile, o Brasil está na melhor posição para colher os benefícios do hidrogênio verde, os três primeiros

A produção de hidrogênio está crescendo rapidamente em alguns países da América Latina, à medida que legisladores e investidores lutam com o vasto potencial e os desafios únicos da região.

O financiamento de US $ 50 milhões para projetos-piloto privados do Chile deve ser fornecido pela empresa de desenvolvimento Corfo no próximo ano. Haru Oni, a primeira usina de metanol limpo e gasolina de $ 51 milhões do país, foi lançada no início deste ano na área de Magallanes. As autoridades celebraram acordos de cooperação com autoridades portuárias como Rotterdam, Antuérpia e Zebrook.

No Brasil, muitos jogadores procuram oportunidades de hidrogênio verde. A Fortescue Future Industries foi pioneira em um Memorando de Entendimento (MoU) em março com a Porto do Asu Oparas para construir uma usina de hidrogênio verde de 300 megawatts no porto de Jesus, no Rio de Janeiro. Possui convênios firmados com o porto de Pecém, no Ceará, como Enigix, Austrália, White Martins, Brasil e Khair, França.

Na Argentina, o governo anunciou um projeto multibilionário da firma australiana Fortescue Future Industries, que espera gastar cerca de US $ 1 bilhão em seu projeto Pampas Green Hydrogen, planejado para a província de Río Negro. O governo também está explorando outras possibilidades do hidrogênio azul para utilizar o suprimento excedente de metano e gás natural.

O consultor Wood McKenzie conversou com três analistas sobre o mercado da BNamericas. Flor de la Cruz e Bridget von Dorsten se concentram na pesquisa de hidrogênio, e Gabriel Dufflis se concentra na indústria eletrônica da América Latina.

Os pesquisadores forneceram informações sobre a competitividade da região no mercado internacional de hidrogênio.

De acordo com especialistas, o acesso a recursos renováveis ​​baratos em países como Brasil, Chile e Argentina, bem como o acesso marítimo relativamente eficiente aos maiores consumidores esperados de hidrogênio, incluindo os Estados Unidos e a Europa, permitirá que a América Latina se transforme fortemente. Jogador neste campo em desenvolvimento.

BNamericas: O que torna os países latino-americanos atraentes para investimentos em hidrogênio verde?

Van Torsten: Recentemente, lançamos um relatório sobre 24 países diferentes. Uma vez que o custo operacional da produção de hidrogênio verde é um componente-chave do aumento do preço do hidrogênio ao longo do tempo, alguns países com os maiores benefícios têm energias renováveis ​​mais baratas.

READ  A multa recuperada de Neymar ajuda o Brasil a manter um bom início de qualificação para o WC

Quando falo sobre isso, estou falando sobre o preço em dólar de um quilo de hidrogênio verde. Chile e Brasil foram os dois países que apresentaram o maior potencial de menor custo do hidrogênio verde em comparação com alguns outros países do mundo, mas em comparação com outro hidrogênio, azul, cinza ou marrom.

O fato de o Chile e o Brasil terem os preços por dólar mais baixos em comparação com outros países torna muito conveniente obter os três primeiros preços de produção. O custo de produção de energia é de 75% do custo total do hidrogênio verde. Portanto, este é um grande componente.

Duffles: A força da América Latina na produção de hidrogênio verde é o baixo custo da eletricidade que a região terá no futuro. Os eletrolisadores não compram eletricidade da rede, mas a maioria dos projetos são projetos de autoconsumo.

Isso o torna mais competitivo porque você não precisa pagar pelos custos de infraestrutura de transferência. Você não precisa pagar taxas especiais ao departamento de eletricidade local. Mesmo que vejamos o preço total da eletricidade cair por um longo tempo, esses planos serão arbitrários.

O norte do Chile possui a maior energia solar do mundo, com altos fatores de eficiência. O Brasil possui recursos semelhantes aos eólicos do Nordeste, que é o melhor do mundo para geração de energia, o que torna o custo equilibrado da energia elétrica dessas fontes particularmente competitivo no mundo.

Essa é a força da região. Claro, há um limite em termos de mercados potenciais na região. Os principais centros de consumo estarão em outros lugares: na Europa, nos Estados Unidos e na Ásia, então o frete entra na equação. Mas a região, basicamente, será a molécula mais barata do mundo.

BNamericas: O Chile e o Brasil estão em uma boa posição para enviar hidrogênio verde?

Da cruz: Por exemplo, o transporte marítimo do Chile para a Holanda está muito mais próximo da Holanda do que da Austrália, através do Canal do Panamá e do Atlântico. Em termos de frete, o Chile leva vantagem.

Em nossos dados preliminares, isso é dois terços da distância, portanto, em termos de custos de envio, isso deve ter uma vantagem. Isso vale também para o Brasil no que diz respeito aos embarques para a Europa, que será um grande pólo consumidor. O transporte marítimo para o Japão e Austrália, por exemplo, tem uma vantagem clara lá. Mas a América Latina tem a oportunidade de acessar alguns desses outros mercados. Centro europeu ou costa do Pacífico da Califórnia, na Califórnia.

READ  Busca de casa no Brasil: casa do século 19 na praia

BNamericas: Outros tipos de hidrogênio, como o hidrogênio azul, podem ser produzidos em áreas gasosas e se tornar mais competitivos do que o hidrogênio verde?

Da cruz: Depende até certo ponto do direito internacional e do tipo de hidrogênio que será aceito e da quantidade de emissões considerada para cada categoria.

Atualmente, a UE está desenvolvendo um padrão para o hidrogênio com baixo teor de carbono, que deve atender a uma determinada porcentagem de emissões para ser considerado e aceitável como hidrogênio com baixo teor de carbono. Portanto, esse cenário vai depender da aceitação ou corte desse tipo de hidrogênio.

Ao fazer isso, se produzido mais barato, pode ter uma vantagem sobre o hidrogênio verde. No entanto, em alguns países, incluindo o Chile, por exemplo, o hidrogênio verde já é mais barato do que o azul.

Van Torsten: Em outros países gasosos, como Arábia Saudita e Rússia, o hidrogênio azul é competitivo, especialmente em países anteriores.

A Arábia Saudita tem acesso à luz solar e ao gás natural e é um mercado interessante.

No geral, como o mercado de hidrogênio é tão jovem, ver o hidrogênio azul e verde chegando online é bom para o mercado em geral, independentemente do tipo. Quanto mais vemos o mercado de hidrogênio sendo preenchido com projetos de hidrogênio funcional, melhor será todo o mercado, não apenas os projetos anunciados.

Da cruz: Comparado ao hidrogênio de que precisamos para anunciar projetos ao redor do mundo, ainda somos menos de 500Mt (milhões de toneladas) para atingirmos 1,5 grau Celsius até 2050. Portanto, há espaço para muitos mais projetos em todos os gêneros.

BNamericas: O que torna o hidrogênio verde tão atraente para desenvolvedores de energias renováveis? Quais são os desafios que enfrentam na América Latina?

READ  Leilão global para recursos brasileiros 3R, refinaria de Petroprose e campos de petróleo

Duffles: Os desenvolvedores de energias renováveis ​​estão pressionando para gerar demanda de eletricidade em todo o mundo porque o crescimento da demanda em muitos países deve ser moderado ou lento no longo prazo.

Quando falamos em América Latina, a trajetória de descarbonização a partir da matriz elétrica desses países tem metas mais fáceis de alcançar do que em outras partes do mundo, o que significa que o processo de descarbonização é mais rápido, e aí você tem que criar uma demanda adicional . Mais planos renováveis ​​podem ser vendidos.

Do lado do fornecimento de energia, haverá pressão para construir o mercado de hidrogênio cada vez mais rápido, mas o lado da demanda não estará pronto para isso quando o mercado de eletricidade quiser. Pode haver algum tipo de lacuna lá no futuro.

Ainda existe um grande potencial a ser realizado em outras regiões. O Brasil poderia aumentar sua capacidade eólica, e o Chile poderia fazer o mesmo com o sol e a Argentina.

Há um desafio de integrar esses recursos renováveis ​​à rede elétrica, mas esse é um desafio que os desenvolvedores de hidrogênio não enfrentarão porque, como mencionamos, esperamos que esses projetos sejam espontâneos. Este é um caminho diferente.

Se esses desenvolvedores querem projetos de hidrogênio, em vez do desafio usual do projeto de garantir a conexão de transmissão, a necessidade desses projetos é um desafio diferente, dependendo do governo que constrói a infraestrutura de transmissão do país.

Além disso, o caminho regulatório será mais demorado na América Latina do que em outros países. Será interessante ver como os governos, especialmente no Brasil e no Chile, tentarão se organizar para estarem prontos para o momento em que planos mais radicais comecem a surgir. Eles estão tentando avançar no mercado.

Vimos isso no Chile com outras coisas, mas no Brasil foi uma novidade. O país está tentando formular uma política nacional antes que o mercado realmente precise. Isso está acontecendo como um novo fator.