Maio 24, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Censo do Brasil mostra crescimento populacional mais lento desde 1872 |  Poderoso 790 KFGO

Censo do Brasil mostra crescimento populacional mais lento desde 1872 | Poderoso 790 KFGO

SÃO PAULO (Reuters) – O crescimento populacional anual do Brasil na última década caiu para o nível mais baixo desde que começou há 150 anos, disse a agência de estatísticas do governo nesta quarta-feira, já que as pessoas em um dos países mais populosos do mundo têm menos filhos.

O maior país da América Latina tinha 203.062.512 habitantes em agosto de 2022, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGPE), um aumento de 6,5% em relação ao último censo de 2010, mas abaixo dos 213,3 milhões previstos em 2021.

O Fundo de População das Nações Unidas estima que o Brasil seja o sétimo país mais populoso do mundo em meados de 2023.

O crescimento anual da população atingiu 0,52% entre 2010 e 2022, disse o IGBE, o menor desde o início da série em 1872. O crescimento populacional do Brasil vem desacelerando desde a década de 1960, refletindo as baixas taxas de natalidade, disse a agência.

“Até 2022, a taxa de crescimento anual foi reduzida para menos da metade do que era em 2010 (1,17%)”, disse o coordenador técnico do Censo, Luciano Duarte, em comunicado.

O Sudeste do Brasil continua sendo a região mais populosa, com 41,8% da população total, ou 84,8 milhões de pessoas. É onde estão localizadas as maiores cidades do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro.

Com 16,3 milhões de habitantes, a região menos populosa é a região Centro-Oeste do país, conhecida por sua maior produção agrícola, acrescentou o IBGE.

O Brasil tradicionalmente publica um novo censo a cada dez anos, mas o planejado para 2020 foi adiado para 2022 devido à pandemia de Covid-19 e à falta de financiamento do governo.

(Reportagem de Gabriel Araujo; Edição de Steven Gratton e Emma Rumney)

READ  Como Bolzano levanta dúvidas, Brasil está convidando observadores eleitorais a níveis recordes