Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Brasil espera desaceleração do comércio com a China, mas ainda tem superávit saudável – MercoPress

Brasil espera desaceleração do comércio com a China, mas ainda tem superávit saudável

Quinta-feira, 26 de maio de 2022 – 07:45 UTC


De janeiro a abril de 2022, o valor das exportações brasileiras cresceu 24,1% em relação ao mesmo período de 2021. As importações avançaram 27,6%.

O Brasil espera um crescimento mais lento nas exportações este ano, à medida que a China implementa medidas de bloqueio mais duras para conter a disseminação do Covit-19. Apesar disso, a Fundação Getulio Vargas (FGV), principal think tank do país, divulgou dados sobre indicadores de comércio exterior (Icomex) que podem ajudar a China a aumentar seu superávit comercial no Brasil.

De janeiro a abril de 2022, o valor das exportações brasileiras cresceu 24,1% em relação ao mesmo período de 2021. As importações avançaram 27,6%.

Em termos de volume, as exportações do Brasil aumentaram 3,5% de janeiro a abril de 2021 em relação a janeiro – abril de 2022, enquanto o valor das importações encolheu 3,5%.

Tal desequilíbrio é explicado pelo aumento dos preços: por exemplo, de janeiro a abril, os preços de exportação aumentaram 19,6%, enquanto os preços de importação aumentaram 32,2%.

“As pressões inflacionárias globais são exacerbadas pelo aprisionamento forçado da China para controlar a epidemia.

“Além da guerra na Ucrânia, o novo bloqueio na China exacerbou interrupções sem precedentes nas cadeias de suprimentos globais, levando a novas pressões inflacionárias”.

Entre abril de 2021 e 2022, as exportações brasileiras aumentaram 10,7% em valor e as importações 29%. O aumento do valor das importações é explicado pelo aumento de 35,4% no preço, seguido de uma redução de 5%. Os preços de exportação subiram 21,1% e o volume caiu 9%.

READ  A polícia descobriu fósseis de répteis voadores excepcionais do Brasil

A FGV destacou que “o comércio estava em queda e os preços estavam subindo tanto nas exportações quanto nas importações”.

A Icomex informa que, após o choque inicial do surto do novo coronavírus, os preços internacionais aumentaram de forma constante no início de 2021, impulsionados por um aumento na demanda global.

“Para o Brasil, o crescimento de 8,1% do PIB da China impulsionou a demanda por bens. “Esse comportamento mudou desde o final de 2021. Desde então, as mudanças nos preços de importação começaram a superar as exportações.

O atual bloqueio imposto às cidades chinesas pode restringir a economia asiática, o que pode contribuir para a queda dos preços internacionais. Por outro lado, novos desafios nas cadeias de suprimentos e canais logísticos indicam que “os efeitos não serão imediatos e ficarão limitados a este ano”.

“No entanto, há um efeito de redução da demanda por commodities, o que afeta o tamanho da atividade econômica do país. Isso não será uma boa notícia para as exportações brasileiras, como as empresas de minério de ferro”, comentou a FGV sobre os efeitos do lockout na China.

De janeiro a abril, as exportações do Brasil para a China caíram 9,6% em relação ao mesmo período de 2021. No entanto, os Estados Unidos (7,7%), a União Europeia (10,2%) e a Argentina (6,7%) expandiram.

Por outro lado, as importações da China aumentaram 4% de janeiro a abril, enquanto o Brasil comprou menos dos Estados Unidos (-5,4%), da União Europeia (-3,5%) e da Argentina (-9,5%).

FGV, o Brasil exportou menos minério de ferro para a China, mas os chineses aumentaram suas compras de carne bovina.

O relatório do Icomex prevê que “mesmo que a economia chinesa se recupere, o país continuará dominando o comércio exterior brasileiro”.

READ  Transforma o jogo Shobi de Cingapura no setor de comércio eletrônico do Brasil