Maio 21, 2024

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Brasil entra na OPEP+ a partir do próximo ano – MercoPress

Brasil entra na OPEP+ a partir do próximo ano – MercoPress

Brasil entra na OPEP+ a partir do próximo ano

Sexta-feira, 1º de dezembro de 2023 – 22h45 UTC


Um dia depois da visita do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, a Riad, ele foi recebido pelo príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman.

A partir de 1º de janeiro de 2024, o maior país da América do Sul ingressará na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), anunciou esta semana o Ministro de Minas e Energia do Brasil, Alexandre Silveira.

“A reunião deu as boas-vindas a Sua Excelência Alexandre Silveira de Oliveira, Ministro de Minas e Energia da República Federativa do Brasil, que aderirá à Carta de Cooperação da OPEP+ em janeiro de 2024”, disse o comunicado da OPEP.

O documento fundador da aliança OPEP+, assinado em 2016, é a “Carta de Cooperação”. O Brasil, atualmente o maior produtor de petróleo da América Latina, se tornará o 24º parceiro e terceiro país da região, juntando-se ao México e à Venezuela. Entre os cinco países que fundaram a OPEP em 1960, juntamente com o Irão, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e Venezuela. Posteriormente, juntaram-se a Líbia (1962), Emirados Árabes Unidos (1974, Abu Dhabi 1967), Argélia (1969), Nigéria (1971), Angola (2007), Gabão (1975-1996 e 2016), Guiné Equatorial (2017) . e República do Congo (2018). A aliança representa quase 40% do fornecimento mundial de petróleo bruto e está profundamente envolvida nos ajustamentos da produção para estabilizar os preços globais. Desde 2016, foi formada uma versão alargada da aliança, conhecida como OPEP+, com a adição do Azerbaijão, Bahrein, Brunei, Cazaquistão, Malásia, México, Omã, Rússia, Sudão e Sudão do Sul.

A produção offshore do país sul-americano em setembro passado foi de 3,67 milhões de barris por dia, segundo dados da OPEP, após a retirada do Equador em 2020, mais do que o atual único membro do cartel do petróleo, a Venezuela. “O presidente Lula confirmou nossa entrada no Conselho de Cooperação OPEP+”, disse Silveira de Oliveira em anúncio em vídeo.

READ  Balduccini, Almeida para o Brasil 2022 Noite 2 S. Jogos Americanos

O grupo também espera cortes moderados nas quotas para Angola, Congo e Nigéria em 2024, enquanto outros parceiros deverão anunciar mais cortes voluntários, ou seja, não vinculativos, por conta própria, enquanto Riade e Moscovo deverão prolongar os seus cortes. 31 de dezembro.

A adesão do Brasil foi anunciada um dia depois que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou Riad, onde foi recebido pelo príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman.