Maio 24, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Aumento da produção de petróleo de 300.000 b / d do Brasil visto como improvável

É improvável que o Brasil possa aumentar sua produção de petróleo em 300.000 b/d em 2022 para ajudar a estabilizar o mercado global em meio às sanções impostas à Rússia em resposta à invasão da Ucrânia.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, fez a promessa em recente reunião em Paris com a Agência Internacional de Energia (AIE). Mas contatado pela BNamericas, um porta-voz do Ministério de Minas e Energia (MME) disse que a previsão precisa de crescimento é, na verdade, de 290.000b / d em dezembro em comparação com o mesmo mês de 2021.

De acordo com a agência reguladora do setor ANP, o Brasil produziu 2,84Mb/d (milhões de barris por dia) de petróleo naquele mês, ou seja, teria que chegar a 3,13Mb/d até dezembro, alta de 10,2% em relação ao ano anterior e 96.000b/d a mais do que a produção média registrada em janeiro (3,03Mb/d).

A meta de volume de dezembro também é muito superior à média de 2021 de 2,9Mb/d, bem como a média de 2,99Mb/d da ANP projetada para 2022.

Para este ano, três projetos offshore estão programados para entrar em operação: o Mero 1 da Petrobras, com o FPSO Guanabara, capaz de produzir 150.000b/d de óleo, e o Peregrino fase 2 da Equinor, que, aliado à retomada do Peregrino 1, é deverá atingir uma saída de 110.000b/d.

Mas, o declínio dos campos maduros também deve ser considerado.

“Na realidade, o aumento teria que ser superior a 15%, sendo 5% a 8% para compensar a queda natural e outros 10% para aumentar de fato a produção. Isso seria 500.000b/d de nova capacidade, o que é muito improvável”, disse um consultor local, pedindo anonimato devido a questões contratuais, disse à BNamericas.

READ  Vestas assina MoU de vento offshore no Brasil

Rodrigo Leo, coordenador técnico da associação petrolífera Ineep, disse à BNamericas que o crescimento de 10% dependerá da estratégia da Petrobras de continuar vendendo áreas maduras com foco no pré-sal, e esse processo resultou, pelo menos inicialmente, em uma produção temporária redução.

O aumento também dependeria de uma mudança nas paradas programadas de plataformas, o que pode afetar a segurança das operações, disse ele.

“Parece-me que é viável, mas não provável, já que não é um processo simples”, disse ele à BNamericas.

A ANP não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Em entrevista recente à Reuters, o diretor-geral da ANP, Rodolfo Saboia, destacou que o ritmo de produção no país é ditado por planos de desenvolvimento acordados entre o regulador e as operadoras, o que limita os ganhos imediatos.

“A produção vai crescer, mas não há muito o que fazer para acelerá-la”, disse.