Julho 2, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Apple e Samsung multadas no Brasil por não enviar adaptadores de energia com novos smartphones

A Apple foi a primeira empresa a remover adaptadores de energia para smartphones de sua caixa de varejo, e a Samsung logo seguiu o mesmo procedimento. Ambas as marcas decidiram seguir o exemplo para reduzir sua pegada de carbono, mas algumas não ficaram felizes. Atualmente, as empresas estão enfrentando escrutínio e multas de vários governos ao redor do mundo por não enviar adaptadores de energia com seus smartphones.

A decisão de não enviar carregadores com smartphones mais novos faz algum sentido. Por exemplo, a Apple usa a mesma porta Lightning para seus iPhones há anos. Portanto, se você já é usuário do iPhone, já possui um carregador que pode usar com seu novo dispositivo. Para pessoas como a Samsung, isso é ainda mais fácil porque usa portas USB Type-C em seus smartphones. Portanto, mesmo que você não tenha um carregador Samsung, qualquer outro carregador USB tipo C funcionará para atualizar seu dispositivo.

A principal motivação por trás da decisão de não incluir adaptadores de energia com a caixa de varejo é reduzir a pegada de carbono. Ao remover o adaptador de energia da caixa, a Apple afirma que reduzirá suas emissões anuais de carbono em 2 milhões de toneladas porque agora pode usar caixas menores e enviar mais caixas em um palete de remessa. Também os ajuda a economizar nos custos de envio. Acredita-se que a Apple tenha economizado mais de US$ 6,5 bilhões em remessas até agora.

Atualmente, a Apple está enfrentando multas no Brasil por não enviar novos iPhones com adaptadores de energia. Um juiz no Brasil ordenou que a Apple devolva US$ 1.081 aos consumidores porque não enviar um power brick com o aparelho viola a lei do consumidor. A Samsung também está enfrentando uma penalidade por não incluir o carregador.

READ  O Brasil e a Argentina podem saciar a fome de óleo alimentar da Índia? | Notícias de negócios e economia

Ambas as empresas são cobradas por uma empresa de defesa do consumidor chamada Broken em São Paulo. Segundo relatos, o Procon de Fortazela foi multado em R$ 5,2 milhões, e não se sabe se esse valor foi imposto separadamente ou combinado para essas empresas. Ambas as marcas “enfrentam mais de 900 procurações em todo o Brasil, o que poderá em breve abrir ação administrativa contra as duas empresas de tecnologia”.

consulte Mais informação: Podemos ver o lançamento de três relógios Apple em setembro

consulte Mais informação: O novo anúncio da Apple se concentra novamente na privacidade, e eis por que é importante