Agosto 16, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Agricultores em Algodão Cerado, Brasil, sobre os benefícios da agricultura

  • No início da epidemia de Govit-19, 46 famílias de produtores de algodão em Minas Gerais, Brasil, começaram a treinar agroecologia, uma abordagem de agricultura sustentável que trabalha em harmonia com a natureza.
  • Trabalhando com uma organização voluntária agrícola sustentável, os agricultores cultivam frutas e vegetais secundários e terciários com suas safras primárias de algodão, e trocam fertilizantes químicos e pesticidas em favor de alternativas orgânicas.
  • Eles tiveram duas colheitas desde o início e, nesse curto espaço de tempo, sua produção de algodão triplicou e o rendimento de outras safras aumentou sete vezes.
  • O projeto agrícola também ajudou a reviver a tradição de fiação de algodão na área, uma vez que o algodão manchado de agroquímicos provocou reações alérgicas entre os artesãos locais.

“Nasci no campo, em casa – não no hospital”, orgulha-se Caspar Gonzalez do Amaral.

Para o Amaral, o município de Arinos no estado de Minas Gerais, Brasil, faz parte da pradaria do Serrado, que é alimentada pelos rios Uruguai e Paraguai. Na época, disse Amaral, a principal fonte de renda de sua família era o cultivo de algodão nesta comunidade agrícola: seu avô trabalhava no campo e sua avó era tecelã.

Amaral foi um dos primeiros a regressar à agricultura na região depois que a agricultura passou para as suas mãos. A ecologia agrícola é uma abordagem agrícola sustentável que trabalha em harmonia com a natureza, ao contrário da agricultura industrial. Amaral teve quatro motivos principais para fazer este percurso: enriquecer a cultura local; Para garantir a segurança alimentar; Para gerar renda; E pode comer alimentos “limpos e não tóxicos”.

Em 2019, Amaral foi contatado por representantes da Comunidade, População e Natureza (ISPN), uma organização voluntária que realiza oficinas de capacitação em agroecologia para agricultores locais da região. A família Amaral, uma das 46 pessoas que aderiram ao programa padrão de algodão com serotonina do ISPN, plantou a primeira safra em fevereiro de 2020.

READ  Ofi faz parceria com a GEA para expandir a produção de café solúvel no Brasil

“Não colhemos nem 200 kg [440 pounds] No primeiro ano ”, diz Amaral. “Mas este ano tem sido muito bom – mais de 800 kg [1,760 lbs]. ”Neste ano, as fazendas da região arrecadaram 5 toneladas de algodão na segunda safra.

Adubo verde e mistura de culturas

Antonio Marcos, que dirige uma cooperativa local, dedicou apenas 1 hectare (2,5 acres) de terras dos agricultores ao projeto. Ele os orientou em quatro etapas básicas: planejamento e preparo do solo, plantio, manutenção e colheita.

Dentro desse único hectare de terra, Marcos os ensinou a cultivar 50% do algodão em fileiras de até 1 m (3 pés) de largura com faixas de culturas secundárias e terciárias. As culturas secundárias incluem gergelim e outras culturas alimentares, enquanto as culturas terciárias selecionadas por cada agricultor incluem abóbora, melancia, milho, cúrcuma e outras frutas e vegetais.

Os agricultores são ensinados a usar materiais não industriais em todo o processo agrícola. Calcário, pó de rocha e fosfato de rocha são usados ​​para aplicar cal em vez de estrume animal e estrume orgânico e fertilizantes industriais. Para o controle de pragas, investem na diversificação de culturas e em técnicas de captura manual, excluindo agrotóxicos.

“Em alguns lugares, o algodão tem mais de um metro de altura”, diz Haroldo Mendes Barbosa, que cultiva a mesma terra desde 1996. Ele diz que seu solo nunca foi tratado até que ele começou a participar do programa de algodão padrão. “Acho que o composto verde que fizemos no solo é o verdadeiro benefício. Para as plantas serem fortes, ele tem que ser fortes.

Nordelio Jacinto, participante do Projeto Algodão Padrão do Cerrado. Imagem de Philip Abrew.
Trabalhador colhendo algodão em uma fazenda como parte do programa padrão de algodão do Cerrado. Imagem de Philip Abrew.

Segurança alimentar garantida

O projeto padrão Cerado Cotton surgiu durante a crise Govt-19. Jessica Petreira, consultora técnica do ISPN, disse: “A epidemia desempenhou um papel fundamental nesta história.” As pessoas estão perdendo renda e passando fome.

READ  Webinar para mostrar o rico setor de AgTech do Brasil para a Geórgia

Embora a produção de algodão tenha triplicado nos dois anos em que os agricultores praticam a agricultura, as safras de alimentos aumentaram mais ou menos do que isso. Em algumas fazendas, a produção de açafrão foi sete vezes maior.

“Uma das nossas abóboras pesava mais de 13 quilos [29 lbs]”, Afirma o agricultor Josephino Ferreira dos Santos. “Foi tão lindo, eu não conseguia tirar os olhos dele.”

Barbosa afirma que os benefícios da produção de algodão não são o fator mais importante do projeto. Ele diz que o principal benefício é a disponibilidade de mais safras de alimentos, todas cultivadas “sem toxinas”. A rotação das culturas melhora a qualidade do solo a médio prazo. “A terra tem que estar viva – não há outra maneira”, diz ele. “Temos que deixar mais solo do que encontramos.”

Haroldo Mendes Barbosa foi cultivado com seus ingredientes orgânicos como parte de um projeto de algodão sustentável do Cerrado. Imagem de Philip Abrew.
O agricultor Jono Marciano trabalha em uma fazenda que participa do programa padrão de algodão do Cerrado. Imagem de Philip Abrew.

Renascença da fiação de algodão

Amaral e Barboza compartilham memórias de infância: o som de rodas girando. A fiação do algodão é uma tradição local que se perdeu ao longo do tempo devido a uma série de fatores, incluindo menos produtores de algodão, industrialização da indústria têxtil e algodão abaixo do padrão. Induz alergia a fios de algodão cultivados em plantações de monocultura em outros estados usando fertilizantes químicos e pesticidas.

Hoje, as fiandeiras trabalham com algodão sem pesticidas, orgulhando-se de produtos cultivados em suas próprias terras. A Diva Maria dos Santos tem o orgulho de dizer que fiava fios para fazer vestidos e vestidos com as próprias mãos no vestido de noiva. Ela aprendeu o ofício com sua mãe e hoje ensina fiação para sua filha de 14 anos. “Quero que ela aprenda a fiar porque um dia terei mais trabalho para fazer”, diz ela. “Ela quer fazer isso. Ela vai manter a tradição.

READ  Polícia brasileira apreende US $ 28 milhões em esquema Crypto-Ponzi
Maria de Carvalho tinge fios de algodão. Imagem de Philip Abrew.
Diva Maria dose Santos gira com algodão orgânico. Imagem de Philip Abrew.

A história foi relatada e publicada pela seleção brasileira em Mongabai Aqui Por nós Site do brasil Em 14 de dezembro de 2021.