Julho 4, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

Acordo comercial Brasil-China para ajudar a garantir a segurança alimentar

Em maio, um agricultor dirige um trator em um campo de milho perto de Landrina, Brasil. John Roris / Bloomberg / Getty Images

Novas regulamentações entre Brasil e China abriram as portas para um maior comércio de grãos, permitindo que os dois maiores produtores agrícolas do mundo aumentem a segurança alimentar.

O aumento das exportações para a China poderia criar um mercado mais estável para os fabricantes brasileiros, ao mesmo tempo em que fornecer luz verde para a China comercializar essas commodities-chave ajudaria a garantir suprimentos previsíveis diante de interrupções nas cadeias de suprimentos globais.

A China e o Brasil concordaram recentemente com novos protocolos que permitiriam à empresa latino-americana exportar milho e amendoim para a China, conforme anunciado na sexta reunião do Conselho de Coordenação e Cooperação de Alto Nível China-Brasil em 23 de maio. Mês para ampliar o comércio de outras commodities.

“Brasil e China são economias complementares, cuja fonte é a necessidade de milho da China neste momento. O Brasil é um parceiro que pode atender às necessidades da China”, disse Henrik Reyes, gerente de relações internacionais do China’s Trade Center em São Paulo. Equipe.

Uma declaração conjunta do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil e do Itamaraty disse em comunicado conjunto que “os compromissos escritos demonstram o potencial das relações bilaterais na agricultura e aumentam o comércio entre os dois países”.

O Brasil é o terceiro maior produtor mundial de milho, depois da China e dos Estados Unidos, seguidos pela Argentina e Ucrânia. Com a Rússia e a Ucrânia respondendo por cerca de 15% da produção mundial de milho, os conflitos entre os dois países afetaram a distribuição global.

“O Brasil terá um excedente de 1,1 milhão de toneladas para exportar além da demanda inicial. Portanto, 36% do excedente de milho do Brasil será refletido na demanda chinesa”, disse Matthias Dias de Andrade, assessor de relações internacionais da Federação Agrária Brasileira. E gado.

Alto rendimento

O país produziu mais de 87 milhões de toneladas de milho na temporada 2020-21, e a estatal de distribuição nacional CONAB estima que a produção ultrapassará 115 milhões de toneladas em 2021-22.

Ao mesmo tempo, o aumento do comércio de milho entre Brasil e China pode ter impacto nos preços globais, que foram afetados pelo conflito na Ucrânia, “resultando em aumento de preços (cerca de 8% na Europa), especialmente para matérias-primas”, disse ele. . Marta Peris-Ortiz é especialista em inovação e sustentabilidade na Universidade Politécnica de Valência, Espanha.

O aumento significativo nos preços de commodities como o milho “explica a reestruturação em curso e em curso dos mercados globais”, disse Peris-Artis.

No entanto, os fabricantes brasileiros ainda precisam construir confiança na estabilidade da oferta e nas oportunidades de relações comerciais de longo prazo com os compradores chineses.

Fernando Costello-Sirvent, economista e professor da Escola de Negócios e Marketing ESIC na Espanha, disse que os riscos de fome severa e instabilidade política estão aumentando em todo o mundo.

Com essa incerteza, a Associação Brasileira de Produtores de Milho disse que contratos adicionais seriam necessários para garantir um fornecimento estável e de longo prazo desses produtos.

“Se o Brasil for um produtor de milho competitivo e confiável, com capacidade total para abastecer o mercado chinês, essa relação se tornará uma relação de longo prazo”, disse Dias de Andrade.

O escritor é jornalista freelancer do China Daily.

READ  Ubrabio pede que Brasil defina prazo imediato para misturas com alto teor de biodiesel: Biofuels Digest