Maio 24, 2022

FVO Site

Encontre as últimas notícias do mundo de todos os cantos do globo no site FVO, sua fonte online para cobertura de notícias internacionais.

‘Absurdo’: Brasil concede a Bolsonaro ‘medalha de mérito indígena’ | Jair Bolsonaro Notícias

Líderes indígenas criticam o prêmio, dizendo que o presidente do Brasil promoveu políticas que ameaçam suas comunidades.

O Ministério da Justiça do Brasil concedeu ao presidente Jair Bolsonaro a “medalha de mérito indígena” da nação, atraindo fortes críticas de líderes indígenas que há muito acusam o líder de extrema direita de promover políticas que prejudicaram suas comunidades.

O ministro da Justiça, Anderson Torres, concedeu a medalha a Bolsonaro e outros 25 homenageados nesta quarta-feira “em reconhecimento ao seu significativo serviço altruísta pelo bem-estar, proteção e defesa das comunidades indígenas”, disse um decreto publicado no Diário Oficial.

Torres também entregou a medalha a si mesmo, à ministra da Agricultura Tereza Cristina, ao ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes e ao ministro da Defesa Walter Braga Netto.

Líderes indígenas e seus aliados acusaram Bolsonaro de tentar expulsar os povos indígenas do Brasil de suas terras, promovendo a destruição ambiental e permitindo o desmatamento desenfreado na floresta amazônica, lar de muitos grupos indígenas.

“Absurdo”, tuitou Sonia Guajajara, coordenadora nacional da Associação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), sobre a decisão desta quarta-feira.

“Como se não bastassem todas as reviravoltas que tivemos, esse desgoverno bárbaro agora acrescentou mais uma: uma medalha de mérito para Jair Bolsonaro e seus aliados por seus ‘significativos’ serviços aos povos indígenas”, disse Guajajara, acrescentando que sua organização iria à Justiça para bloquear o decreto.

Bolsonaro tem pressionado por mais mineração e agricultura comercial na Amazônia, lar de muitos povos indígenas [Adriano Machado/Reuters]

A Frente Ambiental do Congresso, um bloco legislativo que muitas vezes se opõe a Bolsonaro, disse que seu líder, o deputado da Câmara Alessandro Molon, entrou com uma moção no Congresso para anular o decreto.

“É um absurdo que o mesmo governo que está tentando legalizar a mineração em terras indígenas, colocando em risco a própria existência desses povos perseguidos e maltratados, tenha a coragem de se conceder medalhas de ‘mérito’ por todo o mal que fez”, disse. Molon disse em um comunicado.

READ  Como os povos indígenas respondem a Covit-19 no Brasil பல்கலைக்கழக Universidade de Londres

Bolsonaro, que assumiu o cargo em 2019, reduziu a fiscalização ambiental na Amazônia e desfinanciou a agência de proteção ao índio do governo, a Funai. Ele também pressionou por mais mineração e agricultura comercial na Amazônia para criar empregos e reduzir a pobreza.

A medalha de mérito indígena da nação era tradicionalmente concedida a acadêmicos como o antropólogo Darcy Ribeiro ou lideranças indígenas como o icônico cacique e ambientalista Roni Matuktire.

O Brasil abriga aproximadamente um milhão de indígenas, cerca de 0,5% da população.

No início de março, vários milhares de brasileiros se reuniram do lado de fora do Congresso para protestar contra projetos de lei apoiados por Bolsonaro que enfraqueceriam a proteção ambiental da Amazônia e permitiriam a mineração em terras indígenas.

ativista durante protesto
Milhares de pessoas protestaram no início deste mês fora do Congresso do Brasil contra as políticas ambientais de Bolsonaro [File: Adriano Machado/Reuters]

O “Evento da Terra” foi convocado pelo cantor popular Caetano Veloso e três dezenas de outros músicos brasileiros para pedir aos legisladores que parem com o que chamaram de “destruição” da floresta amazônica.

“A situação é crítica, este governo está destruindo o que resta de nossas florestas”, disse a professora universitária Priscila Borges, acrescentando que o meio ambiente do Brasil foi ameaçado pela expansão da agricultura e por um governo que atende aos interesses do agronegócio.

Ativistas ambientais também se opõem a um projeto de lei que anistia grileiros que há décadas invadem ilegalmente terras pertencentes ao governo ou tradicionalmente habitadas por comunidades indígenas.

Outros projetos enfraqueceriam as exigências de licenciamento ambiental e aumentariam o número de pesticidas e herbicidas que os agricultores podem usar.

Um quarto projeto de lei, que o governo esperava aprovar rapidamente no Congresso, argumentando que a guerra na Ucrânia interrompeu o fornecimento de fertilizantes necessários para as plantações de grãos, permitiria a mineração e a exploração de petróleo em reservas indígenas protegidas pela Constituição.

READ  A popularidade de Bolzano continua caindo antes da corrida de 2022 no Brasil, de acordo com pesquisas de opinião

Mas os líderes do partido na câmara baixa do Congresso não concordaram em votar apressadamente, em meio a preocupações de que os eleitores possam ficar irritados em um ano eleitoral. O orador Arthur Lira disse que um grupo de trabalho seria criado para estudar o projeto e apresentar um relatório em 30 dias.